Pulmão. Enfisema com formação de bolhas. Antracose (mac0040) PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Qui, 22 de Abril de 2010 16:39

Processo: Enfisema com formação de bolhas. Antracose. Superfície externa de órgão fixado em formol. Visão anterior de ambos os pulmões, ainda ligados entre si através de estruturas hilares. Verificam-se inúmeras formações bolhosas, de tamanho variável, fazendo saliência na superfície pleural. À palpação tem-se a impressão de aumento na sensação tátil de crepitação, enquanto que há uma diminuição da elasticidade pulmonar. Estas alterações ocorrem pela diminuição irreversível na quantidade de fibras elásticas nos septos pulmonares, devido: à diminuição da renovação; ao aumento na destruição do elástico; à síntese de fibras elásticas qualitativamente defeituosas ou ainda pela associação de mais de uma das condições citadas. A coloração enegrecida dos pulmões é dada pelo acúmulo de pigmento de carvão inalado junto com o ar inspirado, condição conhecida como antracose. As bolhas eventualmente podem se romper, com saída de ar no espaço subpleural, processo denominado como pneumotórax. O tórax dos indivíduos portadores de enfisema pulmonar tende a ter um predomínio do diâmetro ântero-posterior sobre o látero-lateral, denominado tórax em tonel ou enfisematoso.